A Experiência, por Leo Lama por Lilian Cruz - publicada em 6. 12. 2010 - atualizada 17h34 Para o escritor e diretor Leo Lama, "o teatro pode salvar e ser salvo se for uma experiência que perdure nos arquivos".
Opções
a- / 
a+
Indicar

Imprimir

Achei um erro

por Leo Lama

"O teatro poderia ser uma salvação. Não como se tivesse a mesma função de Jesus Cristo. Pensemos em um documento que se quer guardar em uma pasta no computador. O teatro pode salvar e ser salvo se for uma experiência que perdure nos arquivos. Nas redes sociais as frases se diluem no mar do excesso. Penso que a superficialidade é a quantidade tomada como sinônimo de intensidade. O que é uma experiência? O que vale a pena ser salvo?

Se pensarmos que uma experiência é a interação de todo ser vivo com as condições ambientais que o cerca, poderíamos dizer que as experiências ocorrem o tempo todo e este seria o próprio processo de viver. Mas, os aspectos e os subsídios do eu e do mundo implicados nessa relação, modificam a experiência com emoções e ideias, e assim surge a intenção consciente. Na quase maioria das vezes as experiências vividas são incipientes. Por quê? As coisas são experimentadas, mas não de forma a serem consideradas como uma experiência singular. Há dispersão e distração. O que observamos e o que pensamos, o que desejamos e o que obtemos, discordam entre si. Muitos são os casos de coisas que começamos e paramos, que interrompemos no meio, coisas que fazemos concomitantemente com outras e tudo parece ficar meio sem final, sem o alcance que poderia ter. Interrupções e letargias internas roubam das experiências uma grande parte da essência que as constitui. Uma experiência vital se destaca, porque tece nossa vida em colcha essencial, desenhada com nossa singularidade, em nosso modo de se descobrir. Mas, para que isso aconteça, é preciso que o ser esteja absolutamente presente naquilo que vive, e não fragmentado em mil anseios dispersos.

Podemos dizer que um ator pode proporcionar uma experiência a quem o assiste. Quando isso acontece? A arte se divide entre o artístico e o estético. Aquilo que é realizado e o que é percebido. Mas, para a experiência ser completa, precisa que aquilo que é executado contenha o que será percebido. Digamos que o ator precise produzir em si a energia que ele quer que a plateia sinta. Sendo assim, é óbvio que o artista precisa passar pelo mesmo processo que ele quer que o espectador de arte passe ao contemplar sua obra. Há quem diga que arte é aquilo que é executado com extrema perfeição, mas, se isso não for percebido, não será experimentado. É como fazer um maravilhoso jantar para quem não tem paladar. Portanto, moldar em si mesmo o molde da experiência a ser percebida não é o bastante. Seria preciso que quem fosse comer a comida de um artista, soubesse perceber o que está comendo, ou estivesse aberto para ser surpreendido. Não é em um processo imediatista, conseguido com pouco esforço, que se alcançará resultado. A sociedade precisa se transformar, mas isso não vai ocorrer amanhã, já a transformação individual pode se dar a partir de agora, em artistas e apreciadores de arte.

A função do ator, por exemplo, não é ser elogiado, é fazer com que a peça na qual ele atua apareça mais do que ele mesmo. Arte pode ser também uma comunhão de busca a um processo de experimento fundamental. Para que uma habilidade seja artística, no sentido final, ela precisa ser generosa, precisa importar-se profundamente com o tema sobre o qual tal habilidade é exercida.

Então, o teatro pode ser uma salvação, uma contrapartida às experiências virtuais e superficiais, se sua representação puder ser uma vivência primordial e não mais uma proposta de distração, mais uma droga. Por que pensarmos em termos de salvação? Bem, talvez seja preciso que se pense profundamente no que está sendo perdido.  


 


 


 


 


 


 


Leonardo Martins de Barros, inventou Leo Lama, com seu pai, Plínio Marcos, para ser artista com nome artístico. Aos 45 anos se diz às vezes maduro, às vezes velho, mas quase sempre adolescente em termos de curiosidade. É escritor e diretor do "O Primeiro Dia Depois de Tudo", em cartaz no Teatro Imprensa em São Paulo


 

 

Tem mais informações sobre esta asunto? Partilhe sua experiência. Seja um Repórter!
Indicar
Imprimir
Achei um erro
Indicar


PUBLICIDADE - Anuncie aqui.