O que faria você abrir mão da eternidade? por Rafael de Godoy Moraes - publicada em 18. 12. 2009 - atualizada 9h11 Se há vinte anos o muro de Berlim tornou-se obsoleto como símbolo da geopolítica mundial, o filme Asas do Desejo de Win Wenders continua essencial
Opções
a- / 
a+
Ver vídeo

Indicar

Imprimir

Achei um erro

Imagine-se em uma cidade onde não é possível se perder. Não importa em qual dos lados você está ela acaba sempre em muro. De um lado, a exploração do homem pelo homem; do outro, o inverso, uma metáfora de um processo reducionista que de tempos em tempos parece assolar a história. Nesse cenário, o homem urbano e pós-industrial aparece enclausurado na ideia de progresso que, por sinal, habita os dois lados.

Nessa cidade, vida e tempo correm em sentidos contrários e isso atormenta o pensamento humano. Não, não se preocupe, nem tudo está perdido. Existe um muro que os separa e este é outra metáfora para que dois mundos possam ser declarados verdadeiros em um filme de época que culminou com a queda do Muro de Berlim, há vinte anos.

No filme de Wim Wenders, de um lado anjos noir e seus longos casacos cinza – ou seria outra cor? Não importa, anjo não vê cor, nem tem qualquer outro sentido. Seu isolamento eterno é quebrado pelos olhos das crianças, mas não de todas. Do outro, os humanos e seus afazeres. O tempo parece lhes fugir pelos dedos e, por isso, a vida parece lhes faltar sentido.

Não há simetria ou verdade entre esses dois mundos que estabeleça uma razão para ambos. A única simetria possível é a existência pesar para os humanos e a eternidade para os anjos. Se os anjos se recolhem nas bibliotecas e se empoleiram em edifícios e monumentos de Berlim, os humanos ocupam as ruas e estão em constante movimento. Como humanos, as angústias e os desejos que reconhecemos em nós e que geralmente não enunciamos podem ser ouvidos por eles. Como anjos, além de sintonizar os pensamentos dos humanos, resta-lhes apoiar as mãos nos ombros dos homens e sugerir conforto, paz e coragem nos momentos de angústia.

Durante a segunda metade do século vinte, enquanto um muro representou a divisão geopolítica baseada na força da guerra, outros muros eram construídos pelo cotidiano vazio de sentido em uma cidade assediada pela vergonha e ausente de desejo. Não por acaso, o filme franco-alemão recebeu o título Asas do Desejo - Les Ales du Desir, em francês. No filme, o desejo assume ser a única possibilidade de mudança, algo que parece dar sentido à existência dos humanos e servir como ferramenta para romper a eternidade dos anjos.

Em suas reflexões sem respostas, Wenders utiliza a cor para construir a passagem de um lado para outro. Enquanto narrado pelo anjo Damiel (interpretado por Bruno Ganz), o filme transcorre-se em branco e preto, com pequenas cenas coloridas que enfatizam a transformação em curso. Ao se apaixonar pela trapezista de circo Marion, interpretada pela atriz Solveig Dommartin, seu anjo-da-guarda Damiel decide romper a solidão da eternidade e lançar-se em queda para se transformar em humano.

Nesse ponto, o filme passa a ser colorido, de um colorido que se torna cada vez mais intenso. A ironia e genealidade do diretor levam-no a mais uma metáfora, interpretada pelo ator Peter Falk, o detetive do célebre seriado Columbo. Em Asas do Desejo, Falk interpreta ele mesmo na forma de outro ‘anjo caído’, que ao perceber a transformação de Damiel, vem lhe socorrer com a amizade para lhe mostrar os pequenos prazeres dos sentidos, como segurar nas mãos uma xícara de chocolate quente em meio ao inverno gelado de Berlim.

Em 1988, como cineasta, Wim Wenders afirma seu talento ao penetrar a psiquê humana, no clássico estilo do cinema europeu. Como visionário, Wenders antecipou a queda do Muro de Berlim em 1989 e, ao colocar no filme diálogos em alemão, inglês, francês, japonês e espanhol, antecipou também a globalização que se seguiu.

Para assistir

Se você gosta de filmes de aventura e ação, Asas do Desejo lhe parecerá monótono. São duas horas de reflexões sobre o homem pós-moderno e suas muralhas.

Embora no Brasil o filme nunca tenha entrado em circuito comercial, foi relançado em DVD pela Europa Filmes e para assisti-lo fica a opção de uma boa locadora. Caso contrário, uma rápida pesquisa em ‘buscadores’ da Internet e você poderá encontrá-lo em lojas eletrônicas. Nas lojas americanas.com, por exemplo, é possível adquirí-lo por R$ 29,90.

Asas do Desejo - Der Himmel über Berlin, Alemanha, 1987
Direção: Wim Wenders
Elenco: Bruno Ganz, Solveig Dommartin, Otto Sander e Peter Falk
Duração: 128 minutos - Europa Filmes

Tem mais informações sobre esta asunto? Partilhe sua experiência. Seja um Repórter!
Indicar
Imprimir
Achei um erro
Indicar


PUBLICIDADE - Anuncie aqui.